Busca

MKT Imobiliário

Ações e notícias de relevância para o Mercado Imobiliário

Como usar Pokémon Go para atrair clientes

pokemon-go-clientes

Pokémon Go finalmente foi lançado no Brasil, acabando com uma espera grande por parte de milhares de jogadores.

O game, que já é sensação em diversas partes do mundo, chegou ao nosso país e isso pode ser de grande uso para os lojistas e marcas.

Como?

Separamos 9 interessantes dicas para vocês:

#1 – Use as redes sociais e convide os seus seguidores para caçar Pokémons na sua loja. Aproveite e faça uma promoção, ou distribua uns “mimos” para os jogadores que aparecerem. Isso vai fazer com que eles aproveitem a experiência com a sua marca, e não apenas no seu espaço.

#2 – Faça cartazes convidando as pessoas a entrar no seu estabelecimento para caçar Pokémons. Se possível, liste quais já foram capturados na sua loja.

#3 – Libere o seu Wi-Fi para jogadores! Crie um usuário e senha de convidado, e permita que as pessoas que aceitaram o seu convite nas redes sociais ou cartazes, façam uso da sua conexão para fazer a caçada.

#4 – Peça para quem capturar Pokémons na sua loja, compartilhar as fotos das capturas em seus perfis no Facebook e no Instagram. Peça para que eles usem hashtags e marquem o seu perfil. Se possível, ofereça um brinde para quem fizer isso (ajuda muito).

#5 – Compartilhe essas fotos nas suas redes sociais.

#6 – Incentive os jogadores a avisarem para os seus amigos, que estão caçando Pokémons na sua loja, através de checkins nas redes sociais.

#7 – Grave ou fotografe as pessoas caçando Pokémons na sua loja, e compartilhe nas suas redes sociais.

#8 – E se os Pokémons ainda não tiverem aparecido na sua loja, use uma “Isca Pokémon” (Pokémon Lure, em inglês), para atrair os bichinhos para a sua loja.

#9 – Antes de começar a botar em prática o que foi dito nas dicas anteriores, se prepare. A sua loja pode receber um volume de pessoas muito maior que o normal, e você precisa se preparar para receber todo mundo da melhor maneira possível. =)

São essas as dicas. Aproveite o hype e atraia as pessoas para a sua loja.

:: Texto originalmente publicar na fanpage da Server Info.

5 dicas para convencer seu cliente de que é a hora certa pra comprar imóveis!

Será mesmo? Essa dúvida está sempre no ar, principalmente pelo momento atual que o Brasil se encontra. A pergunta que os corretores de imóveis mais têm respondido nos últimos meses vem como uma boa resposta para os investidores de plantão: sim, é um bom momento para se adquirir imóveis. Mas, por quê?

Mesmo com expectativas econômicas incertas para 2016 e 2017, a tendência é que comece a se ajustar e uma melhora vem se aproximando sim. O chanceler da UniSciesp, Alexandre Tirelli, tem a melhor receita para combater a crise: “trabalho, trabalho, trabalho. Não existe outra forma de enfrentar a crise sem ser com trabalho. Ele edifica, realiza e melhora a autoestima. O resultado financeiro vem em consequência do trabalho”.

Veja abaixo cinco motivos que irão ajudar a convencer seu cliente que o melhor momento é agora:

– Tenha conhecimento do mercado: os estoques das construtoras ainda estão em alta, como resultado da retração do mercado em 2015, de acordo com os principais sites do segmento. Com isso, os preços estão mais baixos e existem muitas promoções. Segundo alguns especialistas, os preços dos imóveis usados seguem a tendência dos novos. A expectativa é que o mercado volte a ficar aquecido, os valores mais altos e que não exista mais tanta oferta de promoção. Portanto, é ideal que se aproveite o momento e invista na aquisição de novos imóveis. Para o cliente investidor, é sim uma boa hora de compra. Demonstre esse conhecimento na hora de abordar seu cliente e demonstre confiança sobre o momento atual,

– Dinheiro na mão: se seu cliente tem o dinheiro integral para comprar o imóvel, não perca tempo, afinal o momento para fechar bons negócios é agora. Use seu poder de negociação e mãos a obra.

– Conheça a realidade do seu cliente: financiamentos, e agora? Sabemos que os juros sofreram elevações seguidas por conta da redução dos depósitos e o incremento dos saques de poupança. Por isso, a principal fonte são os financiamentos imobiliários. É ideal que se junte um bom dinheiro para dar uma entrada e fechar um financiamento menor, em menor prazo e em menores parcelas. Caso seu cliente tenha um imóvel e pretende dá-lo de entrada, não se intimide, pois é uma boa iniciativa.

– Pesquise: procure com calma e avalie as melhores condições para o seu cliente. Demonstre ao cliente domínio sobre as ofertas do mercado e que você selecionou de acordo com o que ele procura.

– Boas condições: é certo que as construtoras estão oferecendo boas condições para os compradores. É sugerido estudar, comparar as ofertas, barganhar preço e até tentar incluir na negociação os custos inerentes do imóvel, como escritura e ITBI, para tentar negociar um pacote, de acordo com especialistas. Não deixe de mostrar essa realidade para o cliente.

A Sciesp apoia a ideia e deseja, claro, boas compras!

Fonte: http://sciesp.org.br/5-dicas-para-convencer-seu-cliente-de-que-e-a-hora-certa-pra-comprar-imoveis/

MPF quer que comercialização de imóveis financiados pela CEF seja feita por corretores


Recomendação visa garantir que intermediação na compra e venda de imóveis dos programas nacionais de habitação urbana e rural seja feita por profissional devidamente registrado no Creci
O Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco (PE) expediu recomendação, instrumento de atuação extrajudicial do órgão, à Caixa Econômica Federal (CEF) para que a intermediação na compra e venda de imóveis financiados pelo banco seja feita por corretor credenciado no Conselho Regional de Corretores de Imóveis em Pernambuco (Creci/PE). O autor do documento é o procurador da República Alfredo Falcão Jr.
A recomendação também estabelece que nos convênios e contratos entre CEF e construtoras haja cláusula exigindo a intermediação de profissional registrado no Conselho nas negociações de compra e venda das unidades imobiliárias. A Caixa tem prazo de 90 dias, a contar da notificação, para informar o procurador da República sobre o acatamento da recomendação e quais as providências serão implementadas. Em caso de descumprimento, poderão ser adotadas as medidas judiciais cabíveis.
Apurações do MPF revelaram que empresas do ramo imobiliário vinham comercializando imóveis, principalmente na modalidade popular, sem a intermediação de profissionais devidamente cadastrados no conselho. Como a CEF é agente financeiro e gestor dos programas nacionais de Habitação Urbana/ Minha Casa Minha Vida e de Habitação Rural, deve se responsabilizar pelo cumprimento das normas relativas à comercialização desses imóveis.
Conforme estabelece a Lei 6530 de 1978, apenas o corretor de imóveis possui qualificação para desempenhar a atividade, pois se submeteu a curso técnico em transações imobiliárias ou curso superior em gestão imobiliária.
Ajustamento de conduta – O MPF também firmou, na última semana, termo de ajustamento de conduta (TAC) com o Creci/PE e a MRV Engenharia e Participações para que a construtora passe a contratar apenas corretores de imóveis, e não vendedores sem formação na área, para o departamento de vendas da empresa.
O MPF apurou que a MRV vinha mantendo departamento comercial para venda de imóveis, incluindo empreendimentos do “Minha Casa Minha Vida”, mesmo não sendo registrada no conselho, com vendedores que não são corretores, praticando o exercício ilegal da profissão.
Procedimento nº 1.26.000.002143/2014-6

Fonte: MPF/PE

Pokémon Go começa a invadir o mercado imobiliário

O jogo Pokémon Go ainda nem chegou ao Brasil, mas já está famoso entre o público brasileiro. O aplicativo de realidade aumentada permite que se capture Pokémons utilizando o mundo real como cenário. Nos Estados Unidos, após 10 dias de seu lançamento, o jogo já se tornou o mais baixado da história do país.

A expectativa para a chegada do aplicativo por aqui é proporcional ao tamanho de seu sucesso. Mesmo sem a certeza de uma data certa para isso acontecer, as empresas já têm começado a apostar na nova ‘febre’.

A Incorporadora Patriani, com operações na região do ABC e no interior de São Paulo, é uma das que se anteciparam ao lançamento do Pokémon Go em terras brasileiras. Inspirada no jogo, a empresa promoveu, no último fim de semana, uma ‘caça aos Pokémons’ no stand de vendas do empreendimento Sky Patriani, em Santo André.

A ação foi divulgada na página da incorporadora no Facebook e fez sucesso entre os visitantes do plantão de vendas. Diversas miniaturas de Pokémons foram escondidas pelo stand e apartamento decorado, para serem achadas pelos participantes. A brincadeira conquistou não só as crianças, mas também os adultos que viveram a fase de auge do desenho animado.

Outra empresa que já está investindo na nova tendência é o portal imobiliário Viva Real, que recentemente implementou em seu aplicativo móvel um recurso que permite aos usuários encontrar possíveis Ginásios Pokémon próximos ao imóvel de seu interesse.

As inciativas das empresas e a grande popularidade do jogo mostram que ele possui grande potencial para impactar o mercado imobiliário e inspirar inovações no setor. A expectativa é que ele chegue ao Brasil ainda no fim deste mês.

Fonte: MKT Patriani

Por que me tornar um corretor de imóveis?

corretor-imoveis-sciesp

Uma das carreiras mais promissoras do século XXI continua tendo motivos para comemorar mesmo com o Brasil enfrentando tempos de crise. Ser um corretor de imóveis continua sendo uma ótima saída para quem deseja se encontrar no mercado de trabalho. Desde que você se qualifique, saiba se relacionar com o seu cliente e crie laços importantes, a carreira pode proporcionar estabilidade financeira e crescimento profissional.

Para se sair bem, o mais indicado é iniciar cursos preparatórios e se associar em sindicatos ou instituições de credibilidade. Pensando nesses profissionais que procuram uma oportunidade de se ingressar no mercado, o Sindicato dos Corretores de Imóveis no estado de São Paulo (Sciesp) em conjunto com a Escola Brasileira de Ensino à Distância (Ebrae) saem na frente quando o assunto é motivar trabalhadores brasileiros e contribuir na formação profissional dos mesmos.

Com a baixa dos imóveis nos últimos meses, a carreira é uma das mais certeiras, pois tem atraído muitos compradores para aproveitar os preços do mercado. Enxergando este leque de oportunidades, a Ebrae oferece a partir deste mês um curso técnico de transações imobiliárias (TTI). Somente para matrículas ou rematrículas, o valor do curso sai por 3 x de R$ 165,00.

Além da metodologia moderna de ensino à distância, a escola mais tradicional do PAÍS, traz plantão de dúvidas com professores online e avaliações presenciais em várias unidades educacionais espalhadas pelo estado. A oportunidade é para que em poucos meses você esteja diplomado em um curso técnico para tirar sua carteira profissional e exercer sua profissão com segurança. Para mais informações: 0800 17 68 17 ou (11) 3889-5899.

Veja outros motivos para se tornar um corretor de imóveis:

1- Oportunidade de construir uma carreira sólida

Ser corretor de imóveis é também uma grande oportunidade de desenvolver uma carreira profissional. Um corretor de destaque, com noção de gestão de pessoas e visão de negócios, pode ser promovido a coordenador e, com algum sucesso, pode se tornar gerente de equipe. A evolução constante e o aperfeiçoamento podem levá-lo até mesmo a se tornar diretor na área comercial ou ingressar em outras áreas de suporte em uma empresa do ramo imobiliário.

2 – Poder fazer seu próprio tempo

Se você busca trabalhar em horário alternativos e ter uma agenda mais flexível, o trabalho de corretor de imóveis é uma ótima opção. Mas não se iluda, o trabalho como corretor de imóveis vai te manter bastante ocupado, principalmente quando aumentar suas prospecções. A vantagem aqui é que você vai conseguir montar sua própria agenda.

3 – Progredir em conhecimentos técnicos e gerais

Intermediar a negociação de compra e venda de um imóvel é apenas uma parte do trabalho de um corretor. O corretor de imóveis precisa entender de área jurídica, mercado financeiro, marketing, tecnologia, economia e mais DIVERSAS de informações técnicas que envolvem a venda ou o aluguel de um imóvel – o que determina um constante aprendizado. Existem diversos canais gratuitos onde você pode se atualizar de forma simples e rápida, para se diferenciar de outros profissionais e se tornar mais qualificado para atender seus clientes. Um desses canais é este blog, onde você pode acompanhar posts, vídeos e muito mais.

4 – Aumentar sua cultura

O sucesso de uma negociação muitas vezes está nos detalhes. Se você possui conhecimento sobre a cidade ou sobre o bairro em que pretende atuar, isto é um fator relevante que deve ser levado em conta ao optar pela profissão. De tanto conversar, trocar ideias e informações, aos poucos sua cultura geral vai aumentar.

5 – Não precisar ter uma idade específica para começar. Qualquer idade é o tempo certo.

Sua idade não é um problema para trabalhar como corretor de imóveis. Assim como as construtoras e incorporadoras buscam atender a diversos públicos nos seus projetos, sempre vai haver um nicho do mercado que atenderá ao seu perfil.

6 – Estar motivado

De vez em quando, todos precisam de apoio ou de uma leitura motivacional para realizar nosso trabalho. Mas se você acorda todos os dias com aquela vontade de vencer, a corretagem foi feita para você! Esta é uma profissão que dá pequenas vitórias todos os dias para quem a exerce, de um novo contato a mais um fechamento!

7 – Ter uma forte rede de contatos

Conhecer pessoas novas, todos os dias. O corretor de imóveis precisa buscar a troca de informações entre pessoas e saber entender o perfil das famílias. Se você que gosta e compreende este processo, possui grande chance de sucesso nesta profissão. Sua rede de contatos será enorme atuando como corretor de imóveis: clientes, prospects, colegas corretores, proprietários de imobiliária, colaboradores de incorporadoras e muitos outros.

8 – Conquistar satisfação pessoal

Ajudar alguém a encontrar a casa de seus sonhos é uma realização única para o corretor de imóveis. Este é um profissional que acumula muitas histórias emocionantes ao longo de sua trajetória e certamente é reconhecido por isso. O corretor que experimenta esta sensação dificilmente desiste da profissão, ao contrário, faz dela sua nova missão.

9 – Escolher seu local de trabalho

Um bom corretor de imóveis pode escolher tanto o nicho em que deseja atuar (imóveis prontos lançamentos, locação, administração ou captação) quanto à empresa imobiliária que mais combine com ele. Encontre uma imobiliária cujos valores aproximem-se daqueles que você mais acredita e boa sorte!

Fonte das dicas: Viva Corretor.

Conhecimento jurídico pode ajudar corretores de imóveis nas vendas

dicionario-juridico-para-corretores-imoveis-sciesp-sindicato-sao-paulo

Efetivar uma venda não é tão simples quanto se parece. Além das questões burocráticas, os corretores de imóveis devem se atentar a um ponto extremamente importante durante a negociação: o contrato.

Este quesito deve ser compreendido desde o início da carreira, pois pode acarretar sérios problemas jurídicos, caso não seja construído de forma clara e correta. Por isso, como em qualquer profissão, o corretor precisa entender um pouco de outras áreas também, nesse caso, a jurídica.

O Sciesp, além de apoio, oferece uma assistência jurídica gratuita para os corretores, visando minimizar possíveis contratempos e oferecendo mais um serviço de qualidade para seus associados.
Mesmo com a ajuda, é importante que o corretor estude, faça cursos, converse com advogados ou com a área de departamento jurídico do Sciesp sempre que houver dúvidas a respeito de um contrato.
Afinal, quanto mais conhecimento, maior a chance de se efetuar um bom negócio.

Além disso, essa atenção com o cliente pode propiciar uma relação de maior segurança. Hoje em dia, muitos negócios estão travados pelo departamento jurídico, seja por desconhecimento ou por falta de saber como conduzir tal problema.

O Sciesp traz para os corretores de imóveis alguns dos principais termos utilizados na corretagem. Quanto mais aprendizado e conhecimento, maior a chance fidelizar seu cliente. Conheça abaixo:

Adjudicação: é o ato judicial mediante o qual se declara e se estabelece que a propriedade de uma coisa (bem móvel ou bem imóvel) se transfere de seu primitivo dono(transmitente) para o credor (adquirente), que então assume sobre ela todos os direitos de domínio e posse inerentes a toda e qualquer alienação.
Também pode ser usado para descrever a última fase do processo de licitação, na seara administrativa, que nada mais é do que o ato que dá a expectativa de direito ao vencedor da licitação, ficando o Estado obrigado a contratar exclusivamente com aquele. O Estado poderá não firmar o contrato administrativo, porém, se o fizer, terá de ser com o licitado.

Formal de partilha: O formal de partilha é um documento de natureza pública expedido pelo juízo competente para regular o exercício de direitos e deveres decorrentes da extinção de relações jurídicas entre pessoas nas ações de inventário, separação, divórcio, anulação e nulidade do casamento.

Usucapião: é quando a posse de um imóvel é transferida à pessoa que o ocupou por um determinado tempo sem que houvesse qualquer manifestação de seu proprietário;

Escritura: a escritura pública é a forma escrita de um ato jurídico, estabelecendo um contrato. É lavrada em cartório, por um agente público;

Matrícula:
 a matrícula imobiliária é o ato de individualização do imóvel.

Alienação fiduciária:
 é a transferência do devedor para o credor, de um bem móvel ou imóvel em garantia do pagamento da dívida. O devedor fica com a posse direta do bem para seu uso e o credor detém a posse indireta do bem, que fica em seu domínio. Depois de quitar o empréstimo, o comprador adquire a propriedade definitiva do bem.

Crédito Imobiliário

Crédito especializado, dirigido ao financiamento habitacional.
Disponível em dois sistemas:
a) SFH – Sistema Financeiro da Habitação: para operações de cunho social, voltado especialmente para classes sociais mais pobres;
b) SFI – Sistema de Financiamento Imobiliário: para operações de cunho comercial, subordinado às taxas de mercado, podendo constituir garantias sob a forma de hipoteca ou alienação fiduciária do imóvel financiado.

Hipoteca
Colocação de bens imóveis e móveis (como aviões e navios) como garantia de pagamento de uma dívida. O devedor detém a propriedade e a posse do imóvel, que poderá ser tomado pelo credor por meio de execução judicial ou execução extrajudicial.

Tabela Price

Tabela para cálculo de prestações de um financiamento, também chamada de Sistema Francês de Amortização. Como em outros sistemas, cada prestação é resultante de duas partes: uma de amortização da dívida principal e outra de juros. O método de cálculo da Tabela Price consiste em manter prestações constantes, sendo que, ao longo do prazo de financiamento, a parte da amortização aumenta, enquanto a participação dos juros decresce. A tabela também é muito utilizada para cálculo de imóveis de lançamento.

Habite-se
Autorização dada pela prefeitura para que se possa ocupar e utilizar um imóvel recém-construído ou reformado. A autorização só é emitida depois de o imóvel ter sido vistoriado por fiscais de obras. Esses profissionais comparam a construção com o projeto anteriormente aprovado, e de serviços públicos (corpo de bombeiros, companhias de luz, gás, água e esgotos).

Denúncia vazia
Rompimento de contrato de locação feito pelo locador por conveniência própria, sem necessidade de apresentar justificativas para a retomada do imóvel. Quando aplicável, a denúncia vazia obriga o inquilino a desocupar o imóvel em um prazo de 30 dias. Atualmente aplica-se a contratos residenciais de 30 meses já vencidos, e também a locações com mais de cinco anos consecutivos.

Denúncia cheia

Entende-se por denúncia cheia aquela em que o locador deseja dar fim ao contrato de aluguel com apresentação de justificativa, conforme disposto na Lei 8.245/91, art. 47.

Benfeitorias
Obras ou serviços realizados em um imóvel ou condomínio, visando sua conservação e/ou melhoria.

Laudêmio 
Imposto pago a cada transação de compra e venda por qualquer imóvel que esteja em área da União, como aqueles que se localizam na orla marítima. Quando alguém decide vender um imóvel que esteja em área da União, precisa pedir uma certidão de ocupação ou aforamento (conforme a classificação do terreno) à gerencia regional da Secretaria do Patrimônio da União, órgão ligado ao Ministério do Planejamento. Sem essa certidão, os cartórios de notas e registro de imóveis estão impedidos, por lei, de lavrar e registrar a escritura.

Nota promissória 
Documento escrito e solene, pelo qual alguém (emitente) se compromete a pagar determinada quantia, em determinada data, a determinada pessoa física ou jurídica (beneficiário).

Oferta Pública

Distribuição de títulos e valores mobiliários junto ao público investidor Colocação junto ao público de determinado número de ações de uma companhia.

Quórum

Quantidade mínima obrigatória de membros presentes, ou formalmente representados, para que uma assembleia possa deliberar e tomar decisões válidas. O termo se aplica às assembleias de condomínio, onde é necessário um número mínimo de condôminos para determinadas decisões serem tomadas.

Retrovenda 
Em contrato de compra e venda de imóvel, cláusula segundo a qual o vendedor reserva o direito de recomprar o bem, em certo prazo, sob a condição de restituir ao comprador o preço, bem como todos os gastos efetuados no imóvel, como melhorias, por exemplo.

Permuta de imóveis
Do ponto de vista legal, permuta ou troca é o contrato pelo qual as partes se obrigam mutuamente a dar uma coisa por outra. Diferente na compra e venda de um imóvel, em que o preço deve ser pago em dinheiro ou valor combinado correspondente, na permuta o pagamento das partes é feito por meio de bens equivalentes determinados.

É isso aí, corretores. Melhore suas vendas e relacionamento com o cliente com conhecimento.

Fonte: http://sciesp.org.br

Caixa vai liberar R$ 10 bilhões para indústria da construção

 A Caixa Econômica Federal lançará um pacote de crédito para as construtoras na segunda-feira, 25, quando as linhas de financiamento estarão em vigor. O banco pretende liberar, no mínimo, R$ 10 bilhões, informou o vice-presidente de Habitação do banco, Nelson Antônio de Souza.
 Ele afirmou que os recursos virão de um mix de fontes, que inclui o retorno da carteira de habitação, captações da poupança, FGTS e Letras de Crédito Imobiliário (LCI). Ao ampliar os financiamentos para as construtoras, a Caixa quer estimular o setor, cujo nível de atividade ainda se encontra muito abaixo do usual. A medida está em linha com o pedido do presidente em exercício, Michel Temer, de destravar o crédito como forma de impulsionar a economia. O principal problema do setor, porém, é a falta de demanda.
 Na última segunda-feira, 18, a Caixa divulgou que dobrou o teto de financiamento para R$ 3 milhões no âmbito do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). As construtoras poderão pegar esse crédito para financiar obras que se enquadram nesse limite, mas também para moradias mais populares, enquadradas no Sistema Financeiro de Habitação (SFH), que tem limite de R$ 750 mil para grandes centros urbanos. Com isso, a parcela de financiamento subiu de 70% para 80% para imóveis novos e de 60% para 70% no caso dos usados. Essas mudanças também entram em vigor na segunda.
 Dentro do pacote para as construtoras, a Caixa vai facilitar o acesso ao crédito para as empresas. Será possível contratar a operação tanto para a construção – desde que 20% das unidades estejam vendidas, o que cobriria o custo da obra – quanto para financiar potenciais compradores (neste caso, bastará que 80% do empreendimento esteja concluído).

Mulheres conquistam espaço no mercado imobiliário

mulheres-corretoras-imoveis-sciesp-thabata-yamahuchi

Uma profissão que antes era dominada por homens, agora é cada vez mais ocupada por mulheres. Os números não mentem e, segundo pesquisas, 40% da classe de corretores de imóveis já são compostas por mulheres. Romper as barreiras do preconceito e conquistar espaços em todas as áreas têm se tornado rotina no universo feminino, e na nossa área não poderia ser diferente.

A presença das mulheres no meio tem ganhado elogios e conquistado a cada dia a confiança dos compradores. Seja pela ternura expressa a cada movimento feminino ou pela sinceridade doce que convence com maior facilidade, é inegável o espaço e preferência conseguida por elas. Além do olhar clínico para detalhes, é a mulher que visualiza o tamanho e já consegue antecipar e imaginar uma possível decoração, o que faz que ela ganhe mais pontos com o comprador.

Mas, afinal, por que se tornar uma corretora de imóveis? Segundo a diretora das Prerrogativas da Mulher Corretora de Imóveis, Thabata Yamauchi a profissão é muito rentável, dinâmica, interativa com pessoas, tem a carga horária flexível e a satisfação em auxiliar do sonho de todos os brasileiros que é a aquisição da casa própria.

“As corretoras de imóveis têm os mesmos desafios do homem, porém existe algo a mais: no caso de imóveis de lançamento, são raros os plantões que possuem uma estrutura separada de banheiro para corretora. Mulheres grávidas não possuem licença maternidade e às vezes a falta de segurança local para uma mulher ficar sozinha num plantão é um problema que se enfrenta”, disse.

Muito embora o homem tenha uma participação grande no aporte do capital para a compra, muitas vezes a palavra final é da mulher. E esse fator conta bastante quando é uma mulher que está fazendo a venda. Pense nesses detalhes e boas vendas!

Fonte: http://sciesp.org.br

10 dicas para vender um terreno a uma incorporadora

MKT Imobiliário

venda-seu-terreno-novo

Assim como para vender qualquer coisa é preciso conhecer o produto ou serviço que você vai comercializar, vender um terreno também exige requisitos não tão simples como alguns podem imaginar, tais como paciência, um bom jogo de cintura, bons conhecimentos técnicos e certa dose de sorte.

Um corretor de imóveis que busca se profissionalizar e segue procedimentos básicos encontrará, com certeza, grandes chances na efetivação de negócios no mercado imobiliário. A venda de um terreno não é feita apenas através de persuasão, mas também com o uso de argumentos racionais, muita técnica e conhecimento de dados sobre o setor (números das viabilidades internas, taxas de retorno, lucro, valor geral de venda, entre outros).

Para enumerar algumas boas razões que vão auxiliar você, profissional da área imobiliária, na sua venda, aqui vão 10 dicas importantes:

  1. Visite o terreno, sempre! Circular pela região onde situa a área, conhecer o quarteirão e o…

Ver o post original 295 mais palavras

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: